Cases de sucesso em mídia social: Algumas estratégias da Tam e Nokia

A TAM, que desde 2007 conta com uma gerência responsável pelas ações de e-commerce, sites, base de CRM e comunicação digital, adiantou o lançamento nos próximos meses de um portal batizado de TAMTips. “Nossas ações começaram como broadcast e agora são um diálogo. É o caminho ter esse canal de interação com os consumidores. As redes sociais têm sido mais uma ferramenta nas ações de marketing”, diz Ramos.

O site reunirá todo o conteúdo sobre viagens já gerado pela companhia aérea para suas plataformas offline, e os disponibilizará para tirar dúvidas dos internautas e dar dicas de roteiros turísticos. A proposta do projeto é oferecer o conteúdo de forma ordenada e estimular os comentários e a troca de informações e experiências entre os próprios usuários e também entre a empresa e usuários.

Na opinião de Terra, as redes sociais existem desde os primórdios das relações humanas, e a internet surgiu como um facilitador do relacionamento entre as pessoas enquanto as ferramentas sociais ajudaram a formar grupos, interagir, ouvir e conhecer pessoas. “O mais importante é entender que a informação está livre na rede social e as empresas precisam buscar o melhor direcionamento”, pontua.

A Nokia, por exemplo, tem um projeto de atendimento ao cliente que criou um time formado por cerca de 1500 internautas com conhecimentos além do comum sobre produtos da marca para responderem questionamentos dos consumidores via web. Os participantes não são remunerados e foram identificados em uma comunidade do Orkut dedicada à empresa. A equipe já respondeu a mais de 50 mil perguntas. “Já ouvimos os consumidores há algum tempo. Agora estamos aprendendo a responder”, afirma.

by: http://www.mmonline.com.br

Advertisements

Google Instant: o que muda para as marcas

Prometendo menos cliques e economia de tempo, novo mecanismo de buscas do Google pode alterar a visibilidade das marcas na web

São Paulo – Lançado nesta quarta-feira (8), o novo mecanismo de buscas do Google, chamado de “Google Instant“, promete acelerar o processo de pesquisa e economizar tempo dos usuários. Pelo sistema, os resultados de busca passam a ser exibidos na página em tempo real, enquanto os caracteres ainda são digitados, sem a necessidade de se clicar em “Enter”.

Com o slogan “Resultados enquanto você digita. Menos cliques” – “Results as you type. Fewer Clicks” -, a mudança é uma das mais importantes desde o início da dinâmica de publicidade vinculada a buscas. O Google prevê que o produto irá poupar aos usuários mais de 350 milhões de horas por ano, ou de 2 a 5 segundos por busca, em média. Com isso – e sabendo que junto com os resultados instantâneos, os anúncios correspondentes também se alteram – é de se esperar que o tempo gasto pelo usuário em Links Patrocinados também diminua. Estamos falando, nesse caso, de um negócio que gera cerca de 23 bilhões de dólares para o Google.

Como já acontece nas buscas atuais, marcas grandes e já estabelecidas tendem a ganhar ainda mais visibilidade com o Google Instant. Estar bem posicionado em buscas sugeridas pelo site deve ser uma boa fonte de tráfego, até maior do que já era. Por exemplo, ao digitar apenas a letra “A” na caixa de buscas, as marcas que aparecem imediatamente são: Amazon, AOL, AT&T e Apple. A primeira letra, portanto, torna-se o ponto alto de exposição.

Outro fator importante é que como as palavras-chave pré-definidas pelo Google podem trazer mais tráfego para esses termos, é possível que haja uma diminuição na variedade de resultados genéricos. A “Cauda Longa” fica mais curta, e sites pouco conhecidos tornam-se mais improváveis de ser encontrados.

O argumento do Google para isso é de que o impacto das impressões geradas já a partir da primeira letra digitada será pequeno, mas segundo um levantamento da própria empresa, um usuário típico leva em torno de nove segundos para escrever um termo de busca. Ou seja, a tendência é de que o número de impressões de anúncios de Links Patrocinados suba consideravelmente, enquanto a relação de cliques por impressão (CTR) caia. Com isso, pode haver uma gradativa perda de posições no ranking de resultados, o que força algumas empresas a investirem mais em Links Patrocinados para manter suas marcas nas alturas.

Além disso, o novo sistema tende a beneficiar sites mais conhecidos e com melhor otimização (Search Engine Optimization), e a segunda página de resultados se tornará menos visitada. Mesmo na primeira página, a tendência é de que os resultados buscados sejam encontrados acima do limite de rolagem da tela. O papel dos profissionais de SEO, portanto, será ainda mais importante do que já é hoje para que uma marca alcance visibilidade na web.

Cris Simon, de EXAME.com

%d bloggers like this: